Sardine can collage

Pedaços de nós, enlatados

O peixe passa de mão em mão, num percurso carregado de sabedoria e gosto. Tão antigo quanto o processo de conservação de alimentos descoberto pelo francês Nicolas Appert no início do século 19. A técnica requer mãos de mulheres e na linha de produção, normalmente, encontramos várias gerações da mesma família. As máquinas entram em ação no processo de enlatamento. Nem sempre, mas muitas vezes, na fase final do processo de fabrico das conservas voltam as mãos carregadas de experiência para embrulhar cada lata com a mestria que o tempo e os movimentos repetidos ajudam a garantir.

A indústria conserveira em Portugal é um dos setores que mais pesa na balança das exportações nacionais. Cerca de 70% da produção sai do país e consigo leva muito de nós. Cada lata leva o “peixe do nosso mar”, leva a arte de o preparar e confecionar, ancorada em saber de experiência feito e, mais recentemente, leva a nossa extraordinária capacidade de dar a volta a situações difíceis – daquelas que parecem mesmo becos escuros e sem saída.

Foi no início do século 20, com a explosão da Primeira Guerra Mundial, que a indústria conserveira portuguesa chegou ao seu auge. Cada lata representava o alimento dos soldados dos dois lados dos conflitos que assolaram o mundo na primeira metade do século. Por volta de 1920, havia mais de 400 fábricas no país.

Porém, depois da Segunda Grande Guerra, todo o setor perdeu seus principais mercados de destino e houve uma grande queda das vendas. Além disso, problemas como a escassez de peixes e a entrada de competidores do norte da África no mercado fizeram com que muitas empresas falissem. Hoje, segundo a Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe, existem apenas 20 fábricas de conserva em Portugal. 

Inovação e comunicação. Eis a chave do sucesso.

Passar a mensagem dos benefícios das conservas para a saúde foi um passo decisivo. Levantar a bandeira do Ómega-3 e outros componentes que ninguém sabe bem o que são, mas todos sabemos (vá lá… vagamente) que todos precisamos para viver mais e, pormenor muito importante, melhor. Perceber a cada vez maior apetência pelo consumo de produtos mais saudáveis, oferecendo produtos conservados em água, com baixo teor de sal.

Inovar nas receitas e demonstrar por A+B que aquela sardinha enlatada, a enguia de escabeche, a lula em molho de tomate ou até o atum em molho picante são fundamentais para todos nos tornarmos verdadeiros Chefs Gourmet de trazer por casa.

E porque os olhos também comem… a inovação no design da embalagem foi absolutamente determinante. Seja com uma linha de design gráfico vintage, seja com o envolvimento de artistas plásticos que deixam impressa nas latas de alumínio, ou no papel que as envolve, a sua arte, que assim servem, literalmente, ao domicílio, seja com projetos de inclusão social como o “Miúdos especiais com muita lata”, que envolveu uma das mais antigas conserveiras portuguesas (a Comur) e um grupo de crianças autistas que foram desafiadas a ilustrar uma edição especial de latas de conserva, seja com a abertura de lojas que mais parecem verdadeiras salas de história de uma parte da História de Portugal.

Inovar e saber comunicar ajudaram um setor da economia a renascer das cinzas e transformar-se em empresas altamente rentáveis e dinamizadoras das comunidades piscatórias, com as quais trabalham.

As conservas assumem assim, cada vez mais, um papel de embaixador da nossa cultura, da excelência do nosso peixe e, agora mais do que nunca, da nossa capacidade inovadora.

.

Pinhais Sardine Can on a plate

PINHAIS

PINHAIS & CIA, LIMITED
MATOSINHOS, PT | EST. 1920
CONSERVASPINHAIS.PT
COLEÇÃO DE CRISTINA DA COSTA
INGREDIENTES: 3-5 SARDINHAS, MOLHO DE TOMATE (RECEITA CASEIRA SECRETA)

.

 

Costumes Portuguezessardine can on a plate

COSTUMES PORTUGUEZES

PORTUGAL HOUSE
PORTO, PT | EST. 2017
@THEPORTUGALHOUSE
COLEÇÃO DE  CRISTINA GALRÃO
INGREDIENTES: SARDINHAS, AZEITE REFINADO, SAL

.

 

 

Fayas sardine can on a plate

FAYAS

SOCIEDADE CORRETORA LDA
PONTA DELGADA, PT | EST. 1913
CORRETORA.COM.PT
COLEÇÃO DE CRISTINA GALRÃO
INGREDIENTES: ATUM, ÓLEO DE GIRASSOL, SAL

.

.

 

I Love Portugal sardine can on a plate

I LOVE PORTUGAL

I LOVE PORTUGAL
VIALONGA, PT | EST. 2012
ILOVEPORTUGAL.COM
COLEÇÃO DE CRISTINA DA COSTA
INGREDIENTES: SARDINHAS, AZEITE, SAL

.

 
Estorias Portuguesassardine can on a plate

ARTE NOVA

ESTÓRIAS PORTUGUESAS
AVEIRO, PT
LOJA.AVEIROEMOTIONS.COM
COLEÇÃO DE CARLOS OLIVEIRA
INGREDIENTES: FILÉ DE ATUM, AZEITE, SAL

.

 

Lata sardine can on a plate

LATA

LATA
TORONTO, CA | EST. 2019
LATAFISH.COM
COLEÇÃO DE CRISTINA DA COSTA
INGREDIENTES: SARDINHAS, ÁGUA, SAL, ÓLEO DE SOJA, PIMENTA MALAGUETA, TOMATE

 
c

Cego do Maio sardine can on a plate

 

CEGO DO MAIO

CEGO DO MAIO
APÓVOA DE VARZIM, PT | EST. 2012
CEGODEMAIO.PT
COLLECTION OF CARLOS OLIVEIRA
INGREDIENTS: INGREDIENTES: ATUM, ÁGUA, SAL

 

Comur sardine can on a plate

COMUR

COMUR
MURTOSA, PT | EST. 1942
CORRETORA.COM.PT
COLEÇÃO DE ASHLIE BANDEIRA
INGREDIENTES: SARDINHAS, AZEITE, SAL

.

 

Lucas sardine can on a plate

LUÇAS

LUÇAS & CA., LDA
MATOSINHOS, PT | EST. 1920
LUCAS.PT
COLEÇÃO DE CRISTINA DA COSTA
INGREDIENTES: ATUM, AZEITE EXTRA VIRGEM CASA S. MIGUEL, SAL.

 

Risonho Sardine Can on a plate

RISONHO

COFACO AÇORES, INDUSTRIA CONSERVAS
LISBOA, PT | EST. 1961
COFACO.PT
COLEÇÃO DE CRISTINA GALRÃO
INGREDIENTES: ATUM, ÓLEO VEGETAL, SAL

 

TEXTO: MADALENA BALÇA
FOTOS: NOAH GANHÃO

 

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Newsletter